Um “cantadô”

Araraquarense, filho de pais e avós criados no sítio, aos oito anos Rodrigo iniciou estudos de violão, por influência do avô, Juca Teixeira. Aos 17 migrou definitivamente para a viola brasileira e, desde então, amadureceu pesquisando e desenvolvendo a própria identidade: um cantador liberto de rótulos e tendências, dono de voz marcante e de enorme carisma, atributos que somados à responsabilidade e ao profissionalismo com os quais baliza a carreira, levaram-no a se tornar nome de destaque na cena musical independente.

Rodrigo canta explorando a sonoridade da viola brasileira de forma moderna e singular. Quem ouve pela primeira vez suas letras que passeiam pelos temas do cotidiano urbano e por influências rurais, prontamente torna-se admirador. Estas marcas já eram presentes e cativava plateias nos inúmeros festivais dos quais participou para tornar sua obra conhecida. Dentre eles, destacam-se cinco edições consecutivas do “Viola de Todos os Cantos” (EPTV/GLOBO), conquistando prêmios importantes.

Com o lançamento do CD “Pendenga” (2006), a carreira artística ganhou o devido impulso. Rodrigo passou a apresentar, então, uma identidade recheada de histórias, canções e “causos”, apoiada em um repertório de composições cristalinas, poéticas, com temáticas que começam na cidade e rondam o universo caipira, embaladas pelo som da viola brasileira.

Seus espetáculos, desde então, têm percorrido as inúmeras unidades dos circuitos SESC/SESI, já foram atração do CCBB (Circuito Cultural Banco do Brasil), bem como em eventos e festas promovidos pela Secretaria de Estado da Cultura, nos diversos municípios do interior de São Paulo.

As andanças com o primeiro disco levaram-no à Europa, em 2010. Por aqui, proporcionaram a oportunidade de dividir o palco com grandes representantes de nossa música, como Pena Branca e Zé Mulato e Cassiano.

Destas experiências, extraiu a inspiração e a motivação para lançar “Fruto da Lida”, em 2013. Álbum integralmente produzido por meio de Financiamento Coletivo (crowdfunding), conta com a participação de importantes compositores da Música Regional Brasileira e é recheado de histórias. Materializa a compilação de experiências vividas ao longo do “estradar” com a viola. Em 2014 o álbum foi selecionado para o 26º Prêmio da Música Brasileira.

No repertório do novo CD canções inéditas com os parceiros Fernando Mori, Isaias Andrade e Murilo Romano. Trabalho que deixa mais evidente o desapego do artista com modismos e tendências constantemente impostos pelo mercado. O trato com as composições, as harmonias, os arranjos, a colocação da voz nos remetem a um campo novo, belíssimo, porém pouco visitado.

Paralelamente à carreira, desenvolve, ainda, dois belos projetos: integra o grupo vocal do “Projeto 4 Cantos“, com Luiz Salgado, Cláudio Lacerda e Wilson Teixeira, e, também ao lado de Cláudio Lacerda, forma dupla em shows de Tributo à Pena Branca e Xavantinho, com concorridas apresentações que incluem o auditório do antigo Cine Olido, em São Paulo.

O grupo de quatro ases está na ativa desde 2011 e já realizou vários shows em unidades do SESC São Paulo, com excelente repercussão, interpretando apenas canções autorais. Ganhou as bênçãos de Rolando Boldrin em agosto de 2013, chegando ao palco do “Sr. Brasil”, programa exibido há anos pela TV Cultura. Em 2014, o Projeto 4 Cantos realizou itinêrancia  patrocinada pelo Governo do Estado de São Paulo, através do ProAC. Em maio de 2014, Rodrigo tornou a participar do programa, desta vez, para contar e cantar seu álbum “Futo da Lida”.

Para 2016, além dos projetos já citados, Rodrigo prepara o show “Violas para Dominguinhos”. Neste, Zanc colocará todas as violas à disposição do mestre  apresentando sua leitura dessa importante obra. De um lado a autoralidade do músico e intérprete, de outro os surgimentos dos novos sentidos em canções que foram imortalizadas por Dominguinhos, sertanejo por natureza.

Rodrigo Zanc, mais que um intérprete de canções, é a expressão espontânea dos sentimentos Quando canta uma canção que fala de saudade, nos vêm à tona todas as saudades que temos acumuladas no peito. Quando canta a natureza nos arremessa para campos virgens, regatos puros e límpidos como o cristal. Quando canta com alegria enche nossos lábios de sorrisos que há muito estavam encolhidos. Nos liberta das amarras emocionais, e nos faz desejar sermos felizes… Rodrigo Zanc, homem do mato, da cidade, homem das cavernas desconhecidas do nosso coração.”

Por Isaias Andrade.

Discografia

Fruto da Lida

Rodrigo Zanc

Pendenga

Rodrigo Zanc

Publicidade

Esfera musical

Últimas Notícias

Siga-me